Playlist exclusiva para o Dia dos Pais

E aí, rocker! Tudo rock?

Hoje é dia de som aqui na Santo Rock. Toda sexta tem playlist no Spotify e no YouTube sobre algum tema novo e histórias e/ou curiosidades sobre a seleção especial.

Então já pode dar o play aí e, na sequência, conferir a justificativa da playlist exclusiva de hoje.


Domingo agora, dia 14, é o Dia dos Pais. Então resolvi preparar uma playlist só com músicas que trouxessem curiosidades sobre pais como tema.

Vamos lá!

Quebrando “A Maldição”

Alive” do Pearl Jam é a prova máxima de que a interpretação de uma letra pode mudar o rumo de seu significado. “Alive” é uma história real. Um pedaço da vida de um garoto que até o começo das adolescência acreditava que seu pai fosseuma pessoa, quando, na verdade, era outra. Então sua mãe lhe conta a verdade e o garoto descobre que seu verdadeiro pai está morrendo. Este garoto é o vocalista Eddie Vedder.

“Filho, ela disse, eu tenho uma pequena história para você (…) Enquanto você estava sozinho em casa, aos treze anos, seu verdadeiro pai estava morrendo. Sinto muito que você não o viu.”

No vídeo abaixo, Eddie conta essa história e, na sequência, o Pearl Jam toca a canção. Detalhe para o Mike McCready destruindo com a guitarra atrás das costas durante o solo.


Heróis do dia-a-dia

Dave Grohl não teve uma figura paterna dentro de casa, e por isso escreveu “My Hero“: para expressar a admiração pelas pessoas comuns que realizam facetas heroicas diariamente no cotidiano. O clipe oficial da canção retrata este conceito, mas resolvi colocar uma versão ao vivo das que mais gosto na playlist de YouTube, já que essa música é um clássico bem como seu vídeo-clipe (para quem não conhece ou conhece e quer rever, o clipe está logo abaixo).

Pai é quem ama, cuida e cria. My Hero está na playlist para homenagear todos os pais que são heróis do dia-a-dia.


Exemplo e aprendizado

Quando Anthony Kiedis escreveu “Braking the Girl“, ele vivia um namoro turbulento com uma de suas ex-namoradas e amores de sua vida, a modelo Carmen Jeanette Hawk. Kiedis lembrou-se de seu pai e passou a se perguntar “Será que estou repetindo os mesmos passos de meu pai, pulando de galho em galho?”.

A escolha de Anthony não seguir todos os passos de seu pai, tornou-se uma lição valiosa que, posteriormente, ele viria a discutir com Blackie (como Kiedis refere-se ao próprio pai), inclusive lhe mostrando a canção Breaking the Girl.

“Raised by my dad / Girl of the day / He was my man / That was the way”

Na playlist de YouTube, o clipe oficial que até hoje desafia padrões artísticos em sua elaboração. Aqui, o making off da canção, extraído do documentário Funky Monkeys, de 1991, sobre a gravação do álbum Blood Sugar Sexy Magic, lançado no mesmo ano. Vale a pena ver os caras enlouquecendo para gravar sons industriais que emanam no meio da canção.


Unindo pai e filho

O guitarrista e vocalista do Alice in Chains, Jerry Cantrell, escreveu “Rooster” para seu pai, Jerry Cantrell Sr, que serviu na Guerra do Vietnã. Seu apelido era “Rooster. Não se sabe ao certo a origem do apelido, mas há a especulação de que teria relação com a 101st Airborne Division, na qual o pai de Cantrell serviu. A 101st Airborne usava adesivos em seus braços com o desenho de uma águia-de-cabeça-branca. Não há essa espécie de águias no Vietnã, então a coisa mais próxima a qual os vietnamitas pudessem referenciá-los era uma galinha. Eles se referiam a eles como “homens-galinha.”

Jerry Cantrell falou sobre a canção em 1999:

Foi o começo do processo de cura entre meu pai e eu de todo aquele dano que Vietnã causou. Isto tudo foi a minha percepção das experiências dele lá. A primeira vez que eu ouvi ele falando sobre isso foi quando nós fizemos o vídeo e ele fez uma entrevista de 45 minutos com Mark Pellington e eu fiquei espantado que ele a fez. Ele estava totalmente relaxado, totalmente calmo, aceitou tudo e se divertiu fazendo isso. Até o levou a ponto de chorar. Foi lindo. Ele disse que foi uma experiência esquisita, uma experiência triste e ele esperava que ninguém mais tivesse que passar por isso.

Jerry filho e Jerry pai durante Rooster em show do Alice in Chains

Em 2012, Jerry Cantrell falou sobre a primeira vez em que seu pai, o “Sr. Rooster”, ouviu a música em sua homenagem:

“Jamais vou esquecer como foi. Ele estava lá atrás, de pé, ouvindo cada palavra. É claro que eu nunca fui ao Vietnã, e ele nunca falou sobre isso, mas quando escrevi essa letra foi como se tivesse. Como se aquelas tivessem sido as coisas que ele pensou ou sentiu. E me lembro que quando tocamos, ele estava lá atrás perto da mesa de som, onde eu conseguia vê-lo com seu chapelão cinza e suas botas de cowboy – ele é um cara típico de Oklahoma [região interiorana nos EUA] – No final [da música] ele tirou seu chapéu e o segurou no ar. Chorou o tempo todo.

Jerry Cantrell e seu pai, vestindo uma camiseta do álbum Black GivesWay To Blue, do Alice in Chains, durante um show em 30 de julho de 2015 em Tulsa – Oklahoma, EUA.

Evolução de pai pra filha

Originalmente, “Changes” foi lançada no Vol. 4,  o 4º álbum do Black Sabbath, de 1972. Quase três décadas mais tarde, a filha de Ozzy Osbourne, Kelly Osbourne, convidou o pai para uma regravação em dueto, lançada em 2003.

A canção não trata propriamente da temática paterna, mas foi escolhida para a playlist pela relação entre pai e filha firmada nessa regravação. Para quem se lembra da série “The Osbournes”, a canção possibilitou que Ozzy e Kelly ficassem muito mais unidos do que jamais foram antes.

Ozzy e a filha Kelly Osbourne cantando Changes ao vivo


Beautiful, beautiful, beautiful… beautiful boy

John Lennon foi capaz de retratar a beleza do sentimento que só quem é pai entende com a canção “Beautiful Boy“, escrita para seu filho com Yoko Ono, Sean Lennon. O clipe que está na playlist de YouTube foi adicionado a partir do canal oficial de Lennon e traz imagens do cotidiano da família na época em que Sean ainda era criança.

Paul McCartney declarou que essa é uma de suas músicas favoritas da carreira solo de Lennon.

Lennon and Sean


Sábio mentor

A letra da canção “Father and Son” de Cat Stevens é um pai aconselhando seu filho a ir com calma na vida, pois o tempo lhe mostrou como os momentos são preciosos. Valorosa sabedoria de pai pra filho daquelas que os filhos só se dão conta quando tornam-se pais.


Filho Precoce

Kid Rock começou cedo na vida de astro do rock. Na canção “Drinking Beer With Dad”, ele diz que não pode esperar completar 18 anos para tomar cerveja com seu pai. Na verdade, por mais doidão que o Kid Rock seja, a ideia é uma metáfora para expressar a ansiedade de Kid em ser adulto e tornar-se um herói, espelhando-se em seu pai.

Então (se você já é maior de idade) vá até a geladeira, pegue uma cerveja e divida um momento com seu pai.

Kid Rock e seu pai, William Ritchie.

Saudades de um maior exemplo

“As coisas que meu pai disse, tornaram-me um homem melhor”. Essa é a primeira frase de “Things My Father Said“, do Black Stone Cherry. A canção é praticamente uma carta aberta de pensamentos do autor da  canção em homenagem a seu falecido pai.

“Eu espero que meu pai saiba que as sementes que nós plantamos ainda crescem. Esta noite eu vou dormir e orar para que ele esteja me observando”.

A letra é emocionante, bem como o clipe! Meu pai ainda está vivo e muito bem. Lembrar que ele não estará comigo pra sempre só me faz querer estar com ele e amá-lo ainda mais. Não precisarei esperar pelo Dia dos Pais para dizer isso a ele e abraçá-lo.

Essa versão ao vivo é emocionante! Espero ainda poder assistir a um show desses caras algum dia.


Colo de pai

Watching the Boats With my Dad” (“Vendo os navios com meu pai”, em tradução livre) é uma música instrumental do guitarrista Buckethead. Ela transmite uma sensação de calmaria ao olhar para o mar que me faz querer vivenciar um momento assim com meu pai. Pode servir de trilha para seu almoço ou jantar de Dia dos Pais neste domingo.

Buckethead
Poucas fotos de Buckethead, nascido Brian Carroll, sem sua máscara icônica circulam pela internet, para preservar a identidade de seu personagem. Na foto, o artista, ainda jovem, com seu pai Tom Carroll.

Loucura!

“Crazy” não está na playlist do Spotify, apenas na de YouTube. Isso porque a canção não tem relação com paternidade, mas o clipe, sim.

Liv só descobriu que Steven Tyler era seu pai aos 11 anos, ao ver um clipe do Aerosmith na TV e questionar sua mãe: “Mãe, por que a minha boca é igual a do vocalista do Aerosmith?”. Antes disso, pensava que seu pai era o músico Todd Rundgren, namorado de sua mãe na época. Por esse motivo, ela foi registrada como Liv Rundgren, mudando-o para Liv Tyler quando conheceu o verdadeiro pai. Liv tem, no entanto, uma ótima convivência com Todd e Steven e considera que tem dois pais.

No clipe de Crazy, Liv estrela um de seus primeiros trabalhos como atriz, inclusive imitando o paizão em uma das cenas.

Liv e Steven Tyler

É isso, rocker. Essa é a nossa seleção especial para o Dia dos Pais, para os filhos que quiserem homenagear os pais e também para os pais que quiserem deixar um legado de Rock n Roll para os filhos. Espero que vocês gostem!

Um abraço!

Tamo junto e Let’s rock!

About Caio Latorre view all posts

Um verdadeiro colecionador de curiosidades. I can't get no satisfaction! Lennon disse: "a genialidade é um tipo de loucura". Sejamos insanos em nome do amor ao Rock n Roll. Prazer, Latorre! "O café tá pronto?"

0 Comments Join the Conversation →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *