Playlist: As 15 melhores canções na voz do Demon

Fala, rocker! Tudo certo?

Quarta-feira agora, dia 23 de agosto, um novo deus incorporou nosso panteão sagrado: lançamos a Limited Edition Simmons, em homenagem a Gene Simmons, que completou 67 anos ontem.

E como sexta é sempre dia de som aqui na Santo Rock, nada melhor do que uma playlist exclusiva em homenagem ao demônio que virou deus, não é mesmo?

Selecionamos as 15 melhores canções na voz de Gene Simmons para embalar sua sexta-feira. Se liga aí:

Confiras algumas curiosidades bem interessantes sobre as canções escolhidas:

1. Deuce

A canção foi escrita em 1974 por Gene Simmons e está no álbum de estréia, intitulado KISS.

“KISS”, o álbum de estreia da banda, lançado em 1974.

“Deuce” é a tradicional música de abertura dos shows do KISS e foi executada em quase todas as turnês da banda.

De acordo com Simmons, ele simplesmente copiou (segundo o próprio) a linha de baixo da canção “Bitch” dos Stones para compôr Deuce e tocou mais ou menos de trás pra frente. Sabia dessa?

A base de “Deuce”, do KISS, é praticamente uma cópia invertida de “Bitch”, dos Stones.

Para Ace Frehley, a canção também tem um significado especial, pois, além de ser uma de suas favoritas, foi a canção que o introduziu à banda. “Quando fiz o teste para entrar no Kiss”, lembra Frehley , “eles disseram: ‘Nós vamos tocar uma música para você ouvir, em seguida, tente tocar junto. Essa é em La’. E aí eles tocaram Deuce. Eu pensei, ‘isso é fácil’, então eu me levantei e improvisei uma linha solo durante os quatro minutos”. Demais, não?

Ace Frehley durante audições para entrar no KISS em 1973.

A versão ao vivo que está na playlist é a do Kiss Symphony: Alive IV, com Tommy Thayer na guitarra solo, que toca impecavelmente os solos idênticos a Ace Frehley. Esse álbum ao vivo é épico!


2. I Love It Loud

“I Love It Loud” é uma das canções mais emblemáticas do KISS com Gene Simmons nos vocais. A abertura com a batida característica de bateria e os coros vocais que vão surgindo consagraram a canção em um verdadeiro hino, que está no álbum Creatures of the Night de 1982.

Pôster de divulgação do Creatures of the Night

3. God of Thunder

A canção foi escrita e seria interpretada por Paul Stanley. Mas Bob Ezrin – produtor do álbum Destroyer, sugeriu diminuir a velocidade e deixar os vocais para Gene Simmons.

Essa é a música tema do KISS para Simmons, o “Deus do Trovão”. Quando tocada ao vivo, é o momento em que Simmons faz um solo de baixo antes de executar a performance clássica em que cospe sangue e, por vezes, até sobrevoa a plateia (por meio de equipamentos técnicos, obviamente).


4. Sweet Pain

Sexta faixa do Destroyer – o clássico de 1976 do KISS, “Sweet Pain” não foi gravada com Ace Frehley. O guitarrista cedeu seu lugar para Dick Wagner, guitarrista do Alice Cooper, para esta canção.

Em 2013, Dick Wagner fez uma participação especial nessa canção durante apresentação de uma das maiores bandas covers do KISS espalhadas pelo mundo, poucos meses antes de falecer, em 30 de julho de 2014. Se liga:


5. Shout It Out Loud

Um dos clássicos mais emblemáticos do KISS e na voz do Demon certamente não poderia ficar de fora desta playlist. É uma das músicas mais tocadas pela banda desde seu lançamento, também em 1976 no Destroyer.

O título foi tirado da canção do grupo britânico The Hollies, “We Want to Shout It Out Loud”.


6. Calling Dr. Love

Gene Simmons também é o autor da letra de “Calling Dr. Love”, que está no álbum Rock and Roll Over, de 1976. O título da canção veio de um filme dos Três Patetas chamado “Men in Black” (de 1934). Gene se inspirou na cena em que os alto-falantes do hospital chamam pelo Doutor Howard. Sabia dessa?

men in black
“Men in Black”, filme de 1934 dos Três Patetas de onde Gene Simmons tirou inspiração para o título de “Dr. Love”

Outro fato bem interessante é que a canção é mencionada, mesmo que brevemente, no livro “The Wastelands”, de Stephen King – o terceiro volume da trilogia épica “Dark Tower Series”. Que moral, hein Doutor Simmons?


7. Hate

“Hate” (“Ódio”) é a faixa de abertura do álbum Carnival of Souls, de 1997, álbum que marcou a fase do KISS sem as “máscaras” e apresenta uma nova fase da banda, influenciada pela cena grunge de Seattle, especialmente pelo Alice in Chains.

Com Bruce Kulick na guitarra solo e Eric Singer na bateria, este é um álbum mais experimental e pesado, com influências que vão desde doom metal (em “Jungle” e “Seductio Of The Innocent”) até o rock progressivo (em “I Walk Alone”), passando trambém pelo thrash metal (em “Hate”) e heavy metal (“Rain”, “In The Mirror”).

A capa do álbum, assim como a capa do Lick It Up (1983), traz os integrantes do KISS sem suas tradicionais maquiagens e trajes que compõem seus personagens (Detalhe para o baixo de Gene na foto de capa: não é o lendário baixo em forma de machado). Aparentemente, uma fase mais madura da banda, mas que não foi muito bem aceita pelos tradicionais fãs de KISS. Ainda assim, é inegável a qualidade musical do álbum e a identidade da banda presente.

Capa do álbum Carnival of Souls, do KISS, lançado em 1997 pelas influências do grunge de Seattle

8. Within

Com o fracasso de Carnival of Souls, o KISS retornou às origens com o lançamento do sucessor Psycho Circus (de 1998), inclusive com Ace Frehley e Peter Criss de volta à banda.

Em Within, Bruce Kulick toca guitarra e Gene Simmons assume os vocais.

De volta à formação original, o KISS em 1998

9. You Wanted the Best

O lema de apresentação do KISS, “You wanted the best, you got the best”, rendeu essa homenagem da banda aos fãs, a canção “You Wanted the Best”. Essa é a única música do KISS com todos os integrantes cantando.


10. Journey of 1.000 Years

O KISS realizou uma turnê com o mesmo nome do álbum de 1998, a Psycho Circus Tour. A banda fez algo inédito nesta turnê: distribuíram óculos 3D aos espectadores para deixar os efeitos especiais do show ainda mais alucinantes.

O KISS tocou no Brasil pela Psycho Circus Tour em 17 de abril de 1999, no Autódromo de Interlagos em São Paulo (para cerca de 40 mil espectadores) e tocou também em Porto Alegre. Você estava lá?

Ingresso do show do KISS em São Paulo na turnê do Psycho Circus

11. We Are One

A balada “We Are One” foi escrita e é cantada por Gene Simmons, o único membro da formação original que gravou a canção para o Psycho Circus, inclusive gravando a guitarra base além do baixo, obviamente. Tommy Thayer gravou a segunda guitarra e Kevin Valentine assumiu a batera nessa canção.

Foto rara do KISS em 10 de março de 1973, em Nova Iorque. A formação original viria se reencontrar em 1998 para as gravações do Psycho Circus.

12. Rock’N’Roll All Nite

Um dos maiores clássicos do Rock n Roll que se tornou um hino eterno da banda e que está no nosso Santo Cubinho, a nossa embalagem personalizada que você recebe em casa quando compra aqui na Santo Rock.

“Rock’N’Roll All Nite” foi a única canção de destaque do álbum Dressed Up To Kill (de 1975). Curiosamente, ela é a última faixa do álbum e ainda no lado B.

O hino deu origem a uma de nossas homenagens mais aclamadas dentre os rockers que curtem a Santo Rock.


13. Sweet & Dirty Love

Faixa de abertura do “Asshole”, segundo álbum solo de Gene Simmons, lançado em 2004. Além das canções inéditas, o álbum traz covers e versões de nomes da música como Bob Dylan, Frank Zappa e até o grupo de eletrônico Prodigy, com “Firestarter”, em que Dave Navarro (do Jane’s Addiction e ex-Red Hot Chili Peppers) toca guitarra.

Capa do álbum “Asshole”, de 2004

14. Radioactive

Em 1978, o KISS lançou quatro álbuns solos intitulados com os nomes correspondentes a cada um dos integrantes. “Radioactive” foi o único single lançado do álbum “Gene Simmons” e conta com a participação do vocalista Bob Seger e o guitarrista do Aerosmith, Joe Perry.

Capa do single “Radioactive”, o único lançado a partir do álbum solo “Gene Simmons”, de 1978.

15. Tunnel of Love

O maior sucesso não apenas do álbum de Gene, intitulado “Gene Simmons”, mas dentre todos os quatro álbuns solos da banda lançados em 1978.

Eric Carr, Paul Stanley e Gene Simmons

E aí, rocker… faltou alguma? Você acha que “Beth” deveria estar nessa lista? Escreve pra gente e conta qual seria a sua seleção! Pode dar pitaco também, tá?

E, de quebra, você ainda pode conferir nosso lançamento da semana e homenagem ao demônio que virou deus: a Limited Edition Simmons, exclusiva da Santo Rock só para verdadeiros fãs de KISS.

Tamo junto, rocker!

Let’s Rock and Roll All Night!

About Caio Latorre view all posts

Um verdadeiro colecionador de curiosidades. I can't get no satisfaction! Lennon disse: "a genialidade é um tipo de loucura". Sejamos insanos em nome do amor ao Rock n Roll. Prazer, Latorre! "O café tá pronto?"

8 Comments Join the Conversation →

  1. Fernando Barros

    Boa lista, Caio. Só senti falta de A World Without Heroes, a balada que mais gosto do Kiss. E acho que eles já tinham feito uma capa sem as máscaras e roupas, no lick it up, não?

    No mais, ótima postagem!

    Reply
    1. Caio Latorre

      Fala, Fernando!
      Tudo certo?

      Pode crer, cara. No Lick It Up já era a fase unmasked mesmo. O Carnival of Souls é a primeira capa sem maquiagem com o Bruce Kulick e o Eric Singer.
      Valeu pelo toque! E que bacana que curtiu a playlist!
      Curtiu a Limited Edition Simmons que a gente lançou semana passada?

      Um abraço!

      Reply (in reply to Fernando Barros)
  2. edvaldo

    muito bom, uma das minhas bandas favoritas, aprendi a ouvir rock com eles….A World Without Heroes é a minha canção favorita deles também.

    Reply
    1. Caio Latorre

      Fala, Edvaldo! Tudo certo aí?

      Pô, sonzaço! Você não foi o único a pedir por ela. Tá ligado que a Cher gravou uma versão desse som, né?

      Curtiu a Limmited Edition Simmons que lançamos na semana passada?

      Um abraço!

      Reply (in reply to edvaldo)
  3. Celso Leal

    Caio, acho que cometeu um grande equivoco ao falar de canival of Souls.
    Esse não é o primeiro álbum da banda sem as maquiagens.
    Na verdade o primeiro sem maquiagens foi o Lick It Up!…

    Abraço!

    Reply
    1. Caio Latorre

      Fala, Celso!
      Tudo certo?

      Pode crer, cara. No Lick It Up já era a fase unmasked mesmo. O Carnival of Souls é a primeira capa sem maquiagem com o Bruce Kulick e o Eric Singer.
      Valeu mesmo pelo toque!
      Curtiu a Limited Edition Simmons que a gente lançou semana passada?

      Um abraço!

      Reply (in reply to Celso Leal)
  4. Luciana Neves de Sousa Silva

    Amei essa história do Kiss….só faltou a música Forever…apesar de não ser vocal do Simons…
    Valeu…

    Reply
    1. Caio Latorre

      E ai, Luciana! Tudo bom?

      HAHA é verdade. Se a lista fosse sobre KISS em geral, não teria como “Forever” ficar de fora mesmo.
      Bacana que curtiu!

      Um abraço!

      Reply (in reply to Luciana Neves de Sousa Silva)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *